Além dos benefícios diretos para o meio ambiente, a Energia Solar também é vista como ferramenta de transformação para nossa sociedade: gerando emprego e renda.

O mercado de trabalho “verde” tem crescido ano a ano. Em 2015 superou a marca de 8 milhões de empregos. Segundo a Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA), serão 24 milhões de empregos ao redor do Mundo até 2030.

Nos negócios envolvendo Energia Solar, a geração de empregos cresceu em um ritmo 12 vezes superior à média de outros empreendimentos dos Estados unidos. Lá, o número de empregos já supera o número envolvido em extração de petróleo e gás, ajudando a impulsionar este aumento global do emprego no setor de energia limpa.

Número de empregos nos EUA - Energia solar. Fonte: IRENA

Número de empregos nos EUA: Energia solar, carvão e petróleo – Fonte: IRENA, Bloomberg.

Alguns especialistas apontam a eleição do presidente Donald Trump como ameaça ao mercado sustentável e aos acordos e metas climáticas internacionais. O presidente eleito, com maioria no congresso, não acredita no aquecimento global e teve a vitória comemorada por magnatas da indústria do petróleo, como o bilionário ‘Oilman’ Harold Hamm (que já foi cotado pelo presidente eleito ao posto de Secretário de Energia). Torcemos para que o novo presidente americano consiga também olhar para essa crescente geração de empregos e para os exemplos das novas empresas cleantech como a Tesla, que devem ser motivo de orgulho americano.

Por outro lado, enquanto os EUA ameaçam rodar na contramão da história, a China ocupou o posto de maior produtor de energia limpa. O número de empregos da indústria de energia renovável chinesa já supera o número de empregos da indústria de petróleo e gás em 35%, segundo o Bloomberg.

A mudança de paradigma chinês se deu em grande parte pela situação em que estavam os níveis de poluição atmosférica. Os níveis de partículas tóxicas registrados chegavam a ser 30 vezes maiores do que o máximo tolerado, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A nuvem tóxica conseguiu ser vista do espaço sideral e as usinas de carvão eram responsáveis pela maior parte deste cenário.

Névoa de poluição registrada em Pequim - Fonte: Ali Song/Reuters

Névoa de poluição registrada em Pequim – Fonte: Ali Song/Reuters

A China também já é o líder mundial na fabricação de células fotovoltaicas e contribuiu para a redução drástica dos custos de sistemas fotovoltaicos nos últimos anos aumentando a oferta de equipamentos no mercado.

Produção fotovoltaica global por região - Fonte: Fraunhofer Institut

Produção fotovoltaica global por região – Fonte: Fraunhofer Institut

No mapa abaixo é possível visualizar onde os principais empregos “verdes” estão concentrados (dados de 2015):

Empregos no Mercado de Energias Renováveis no Mundo (em milhares de pessoas) – 2015

Empregos no Mercado de Energias Renováveis no Mundo (em milhares de pessoas) – 2015 – Fonte: IRENA

No Brasil, a maior parte dos empregos envolvendo energias renováveis, segundo a IRENA, ainda está ligada aos biocombustíveis. A tendência é que o mercado fotovoltaico em expansão (cerca de 300% no último ano) em breve supere este número em nosso país.

Fontes: Bloomberg, Forbes, IRENA, Fraunhofer Institut

Ainda temos muito a fazer. Você pode dar o próprio passo nesta mudança e produzir energia limpa em sua casa ou empresa.

Acesse terasolar.com.br/como-funciona  e saiba mais.